O que fazemos
Belo Horizonte/MG
Salvador/BA
Juazeiro/BA
Sto Amaro-São Paulo/SP
Centro Vocacional Oblata
Acompanhamento Vocacional
Depoimentos
Divulgação
Países
Sobre Padre Serra
Abertura do Bicentenário
No Brasil
Artigos
Pesquisas
VII Encontro -2009
VIII Encontro - 2010
IX Encontro - 2011
Tráfico de Pesssoas
Encontro da Rede
Unidades Oblatas
Capítulo Provincial
Seminário
Comunicação
Encontro da Rede Oblata
Projetos Mundo
Projetos Brasil
Diga NÃO à violência contra Mulher
Capacitação
Outros
Comunidades
Comemorações
Cirandas Parceiras
Projetos Oblatas
Compartilhai
Jornal da Rede Pastoral Oblata
Pastoral da Mulher de Belo Horizonte - MG
Pastoral da Mulher de Juazeiro - BA
Economia Solidária
Tráfico de Seres Humanos
Prostituição
Violência Contra a Mulher
Jornal da Rede
Comunidade
Celebrações
Cursos
Oficinas
Sensibilização
Igreja do Brasil
Cidadania
Direitos Humanos
Gênero
Projetos Pastorais
Cultura
Igualdade

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Público lota auditório no seminário promovido pela Pastoral da Mulher de BH

160 inscritos lotaram o auditório para o Seminário “Impactos da Copa: Tráfico de Pessoas e Exploração Sexual".

A Pastoral da Mulher de Belo Horizonte - Unidade Oblata em Minas Gerais, em parceria com a Regional Pampulha da Prefeitura Municipal de BH, realizou, na última quinta-feira, 15 de maio, o seminário “Impactos da Copa: Tráfico de Pessoas e Exploração Sexual".

O Seminário, realizado no Auditório da Fundação João Pinheiro (sede da Pampulha), foi um enorme sucesso comprovado pelas mais de 160 inscrições que lotaram o auditório da Fundação.

A solene abertura foi realizada pelo Gerente da Secretaria Municipal Extraordinária da Copa, Glauco Carvalho, e na continuação, Rudá Ricci, mestre em ciências políticas, doutor em ciências sociais, autor, entre outros, de “Lulismo” e “Nas Ruas”, este último dedicado à análise das manifestações de junho de 2013, fez uma interessante palestra avaliando criticamente alguns dos impactos da Copa do Mundo no Brasil.

Ricci mostrou como o país não é o mesmo de abril de 2013. Os protestos de junho abriram as comportas para os “novos brasileiros” - os brasileiros da inclusão pelo consumo, se expressarem.  Seu grito já não era transmitido pelas velhas entidades de mediação social (ONGs, sindicatos, algumas pastorais, etc.), as quais deixaram de cumprir seu papel de colher demandas na base da sociedade e se envolveram  com convênios estatais.

Posteriormente uma mesa redonda integrada por Anna Cristhina Pinheiro (Referência Técnica em DST/AIDS), pelo Coronel Wilson Chagas Cardoso (Assessor de Segurança e Inteligência da Secopa - Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo) e por Aparecida Vieira (Associação das Profissionais do Sexo de Minas Gerais – APROSMIG) analisaram os possíveis impactos da Copa do Mundo em BH sobre a saúde pública, a segurança pública e também as possíveis consequências paras as mulheres que estão em situação de prostituição.

Após o intervalo de almoço, a primeira palestra da tarde foi proferida pela delegada chefe da Divisão de Referência da Pessoa Desaparecida, Dra. Cristina Coelli, que apresentou informações sobre tráfico de pessoas. Destacou que o Brasil é país de origem e destino de pessoas traficadas e que a principal causa do tráfico é a vulnerabilidade social. Explicou que o tráfico de pessoas é a terceira maior fonte lucrativa do crime organizado porque a mercadoria é a pessoa, que será utilizada várias vezes e, com isso, o traficante terá altos lucros. Insistiu na necessidade  de conscientizar e informar a sociedade civil a fim de se enfrentar o tráfico. Finalmente destacou a importância do Projeto “Alerta Minas”, construído pela Polícia Civil. O projeto visa atender e apurar o desaparecimento e o tráfico de pessoas, com um trabalho articulado e integrado entre os 853 municípios mineiros.

A última Mesa Redonda do Seminário contou com a presença de Helyzabeth Campos (Programa de Enfrentamento à Violência Sexual Infanto-Juvenil), Leticia Barreto (Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas -MG), Vanessa do Carmo (Jovens com uma Missão - JOCUM), Lucinete dos Santos (Pastoral da Mulher de BH) e Barbara Halina Furgal (Rede Um Grito pela Vida).

Encerrando o evento, Heliane de Guadalupe Alves (Gerente Regional de Políticas Sociais Pampulha) e Jose Manuel Lázaro (coordenador da Pastoral da Mulher BH) agradeceram aos palestrantes e participantes e convidaram para os futuros eventos que sobre este tema serão realizados.

 

Lucinete Santos

Equipe da Pastoral de BH

Fonte: Pastoral da Mulher de BH

Voltar 


outubro 2018
 DSTQQSS
S 123456
S78910111213
S14151617181920
S21222324252627
S28293031   









 

Busca:
 

Na sua opinião, por que as mulheres estão curtindo sexo anal?

 
 

 


Home . Apresentação . Histórico . Mística . Missão . Cadastre-se . Localização . Links . Trabalhe Conosco . Contato
Copyright 2006 – Instituto das Irmãs Oblatas do SSmo Redentor - Todos os Direitos Reservados
fale conosco: info@oblatas.org.br Tel: 11 2673-9069