O que fazemos
Belo Horizonte/MG
Salvador/BA
Juazeiro/BA
Sto Amaro-São Paulo/SP
Centro Vocacional Oblata
Acompanhamento Vocacional
Depoimentos
Divulgação
Países
Sobre Padre Serra
Abertura do Bicentenário
No Brasil
Artigos
Pesquisas
VII Encontro -2009
VIII Encontro - 2010
IX Encontro - 2011
Tráfico de Pesssoas
Encontro da Rede
Unidades Oblatas
Capítulo Provincial
Seminário
Comunicação
Encontro da Rede Oblata
Projetos Mundo
Projetos Brasil
Diga NÃO à violência contra Mulher
Capacitação
Outros
Comunidades
Comemorações
Cirandas Parceiras
Projetos Oblatas
Compartilhai
Jornal da Rede Pastoral Oblata
Pastoral da Mulher de Belo Horizonte - MG
Pastoral da Mulher de Juazeiro - BA
Economia Solidária
Tráfico de Seres Humanos
Prostituição
Violência Contra a Mulher
Jornal da Rede
Comunidade
Celebrações
Cursos
Oficinas
Sensibilização
Igreja do Brasil
Cidadania
Direitos Humanos
Gênero
Projetos Pastorais
Cultura
Igualdade

terça-feira, 27 de julho de 2010

América Central: Um dos índices mais altos de violência contra a mulher

A Procuradoria dos Direitos Humanos (PDH) da Guatemala registrou um aumento de 79%, nos últimos seis anos, nos casos de morte violenta de mulheres.

Mesmo que o relatório apresentado recentemente pela Coordenação Nacional para a Prevenção da Violência Intrafamiliar e contra as Mulheres (Conaprevi) tenha revelado que cada vez mais aumenta o número de mulheres que denunciam quando são vítimas de violência doméstica, os índices desse crime não diminuíram. Os mais de 700 feminicídios registrados em 2009 na Guatemala, 314 em El Salvador e 181 em Honduras, colocam a América Central como uma das regiões com mais alto índice no mundo.

A Procuradoria dos Direitos Humanos (PDH) da Guatemala registrou um aumento de 79%, nos últimos seis anos, nos casos de morte violenta de mulheres, afirmando que 2009 se encerrou com uma média diária de duas mulheres assassinadas e que as instituições encarregadas de velar pela segurança não estão capacitadas para atender os casos de quem busca ajuda. "Quando chegam a receber denuncias, os corpos policiais, por exemplo, questionam, não levam a serio", expressou o Ombudsman Sergio Morales.

Por Mayra Rodríguez

Fonte: ALC

22/07/2010

Voltar 


julho 2018
 DSTQQSS
S1234567
S891011121314
S15161718192021
S22232425262728
S293031    









 

Busca:
 

Na sua opinião, por que as mulheres estão curtindo sexo anal?

 
 

 


Home . Apresentação . Histórico . Mística . Missão . Cadastre-se . Localização . Links . Trabalhe Conosco . Contato
Copyright 2006 – Instituto das Irmãs Oblatas do SSmo Redentor - Todos os Direitos Reservados
fale conosco: info@oblatas.org.br Tel: 11 2673-9069